quinta-feira, 28 de junho de 2012

Principais Imperadores Romanos

Júlio César (100 - 44 a.C.)
Júlio César foi um líder militar e político da República romana. Como comandante militar, foi bem sucedido em todas as suas campanhas, fosse qual fosse o terreno ou altura do ano. A sua versatilidade permitiu-lhe vitórias em batalhas, cercos e guerras de guerrilha, baseadas numa disciplina rigorosa e no amor que os soldados lhe tinham, bem como no uso inovador que dava à cavalaria romana. Durante o tempo em que esteva no poder, expandiu as fronteiras até o Oceano Atlântico.



Augusto (27 a. C. - 14 d. C.)

Augusto fez um governo de ordem e hierarquia. Lutou contra a decadência dos costumes, reorganizou a administração e as forças armadas, tornando-as permanentes e fixando-as nas fronteiras. Criou organismos governamentais (conselho do príncipe, prefeitos). Para facilitar o censo e a cobrança de impostos,dividiu Roma em 14 regiões e reorganizou a administração das províncias. Fomentou o desenvolvimento da agricultura e assim saneou as finanças do Estado.




Calígula (37-41)

Calígula foi considerado injusto e cruel por colocar sua autoridade acima da lei - o imperador trabalhou sobretudo para concentrar poder, confrontando o Senado e a aristocracia romana. A falta de controle dos gastos públicos levou Calígula a aumentar os impostos na civilização. Cansados dos arroubos e das tendências absolutistas do imperador, senadores e membros da guarda pretoriana conspiraram para matá-lo. Aos 29 anos, Calígula foi assassinado a golpes de adaga.



Nero (54-68)
Tornado soberano aos 17 anos, Nero cometeu vários crimes durante seu governo - entre eles, mandou matar seu próprio irmão e sua mãe. Perseguiu os cristãos que se negavam a aceitar os deuses e os cultos romanos, inclusive o culto ao imperador. Em 64, foi acusado de ter mandado atear fogo à cidade de Roma, embora não haja provas objetivas disso. Declarado inimigo público número um pelo Senado, ele fugiu para uma propriedade no campo, onde se matou com o auxílio de seu secretário.


Tibério (14-37)

Tibério foi adotado por Augusto, que lhe encomendou importantes missões diplomáticas e militares, incluindo a luta contra os Panónios ou as campanhas da Germânia, acabando por nomeá-lo seu sucessor no império.

 Tibério não foi uma 1ª escolha de Augusto, mas como os seus sucessivos herdeiros (Agrippa, Marcello, Lúcio e Gaio) morriam, Augusto não teve outra opção senão adoptar Tibério em 4 d.C. Mostrando bem quão relutante estava em fazer Tibério herdeiro, Augusto acrescentou no final da cerimónia «Faço isto por razões de Estado». Porque Augusto não gostava do seu sucessor é um mistério, talvez se devesse ao facto de que ele não era como as pessoas que o rodeavam, ou seja um lambe-botas, e o afrontar. Por outro lado a coragem e a genialidade militar de Tibério contrastavam com o facto de Augusto ter apenas liderado pessoalmente apenas uma campanha na Hispânia, e mesmo assim foi graças ao seu Estado-Maior que não aconteceu uma desgraça.


Marco Aurelio (161-180)
Filósofo Historico e imperador romano (161-180) nascido em Roma, conhecido como o imperador-filósofo. De uma família de grande prestígio: o avô paterno era cônsul e prefeito de Roma, sua avó materna herdou uma das maiores fortunas de Roma e uma tia paterna era casada com Tito Aurélio Antonino, que veio a ser imperador e que o tomou como filho adotivo e um dos seus sucessores. O imperador Adriano anunciou (136) como sucessor Lúcio Cômodo, porém com a morte deste (138), Adriano escolheu Antonino para suceder-lhe, com o compromisso de adotar como filhos dois jovens: Lúcio Vero, filho de Cômodo, e Marco Aurélio. Conviveu assim com a fortuna e o poder e recebeu de mestres gregos esmerada educação humanística. Foi três vezes cônsul e casou-se com a filha do imperador (145), Faustina. Dois anos depois recebeu o imperium e a tribunicia potestas, os maiores poderes formais do império. Com a morte de Antonino (161), assumiu o trono com Lúcio Vero.

Commodus Musei Capitolini MC1120.jpg

Comodus (180-192)
Imperador déspota de Roma (180-192), nascido em Lanúvio, Lácio, último representante da dinastia dos Antoninos, cujo governo foi marcado por ações de crueldade e violência, principalmente depois de descobrir uma conspiração para assassiná-lo tramada por sua irmã Lucila (183), a quem mandou executar juntamente com um grupo de senadores com quem estava aliada. Filho e sucessor de Marco Aurélio e de Faustina, pertencente à extensa galeria de loucos que passaram pelo poder supremo de Roma. Recebeu o título de César (166) e o de co-imperador (176) e logo que assumiu o poder absoluto, após a morte do pai, mudou seu nome para Marco Aurélio Cômodo Antonino. No início de seu reinado, conservou os serviços dos melhores auxiliares de seu pai, embora agisse contra seus conselhos ao concluir, imediatamente, um tratado que envolvia o pagamento de pesados subsídios e a evacuação das guarnições romanas dos territórios que haviam sido ocupados por Marco Aurélio. Voltou a Roma, onde foi muito bem recebido, mas as coisas logo começaram a se complicar. Ocioso, corrupto e dissoluto, embora um historiador da época estivesse mais inclinado a interpretar suas falhas como uma vulnerabilidade às más influências, promoveu shows de gladiadores, cuja paixão pelo combate desses, como espectador e como participante, que o levou a seus maiores excessos. A partir da descoberta da conspiração de Lucila, comandou uma onda de extermínio que acabou por desestruturar o governo. No campo militar, depois de firmada a paz nas fronteiras germânicas, teve que enfrentar (184) os caledônios da Bretanha que atravessaram a Muralha de Antonino e invadiram o sul da Escócia. Foram necessárias três campanhas, comandadas pelo governador Ulpius Marcelus, para que eles fossem contidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário